fbpx

Carma

O que é carma? Por que algumas tradições dizem que temos que pagar carma?

Provavelmente o conceito mais mal interpretado e mal utilizado no dicionário espiritual, fora o conceito “Eu”.

Sem se tornar excessivamente analítico ou complexo sobre o mecanismo da causalidade, o simples fato é que carma é um nome para a lei da “causa-e-efeito”. Não é necessário ser um guru, um discípulo espiritual ou um cientista para entender o que isso significa.

Se você mover aquele interruptor na parede (causa), a luz acende (efeito). Isso é tudo o que significa em essência.

Agora, podemos aplicar esse conceito à espiritualidade e ao que podemos chamar de “eu”; novamente sem entrarmos profundamente na análise do que é “eu”. Estamos falando de qualquer “eu” sob a lei do carma ou causa-e-efeito. A realidade intrínseca desse “eu” não é relevante para esta discussão.

Se eu pisar em seu pé, ele machucará seu pé, não o meu, nem o dela. Portanto, meu pisar em seu pé causa sua dor. Eu lhe causei dor. Não vamos ser não-dualistas sobre isso neste momento.

Outro cenário: eu deixo cair um objeto pesado sobre seu pé que pode machucá-lo tanto que você não poderá usar seu pé e precisará tê-lo engessado e não poderá andar por um mês.

Bem, essa “causa” criou um “efeito” mais sério. Se você é um jardineiro, não pode trabalhar agora. Como você vai pagar suas contas?

Agora, o que é difícil ou impossível para a maioria das pessoas compreender é como esta lei opera no nível emocional e suas implicações ao longo da múltiplas vidas, porque as emoções não são um fenômeno físico e sua influência vai além do tempo de um único corpo físico e do plano físico.

Toda ação tem uma reação. A maioria das ações e reações acontece em um curto período de tempo e a causa e o efeito são equilibrados relativamente rápido. Por exemplo:

Você rouba alguém e, ao fazer isso, diminui ou destrói certas possibilidades na vida da vítima. Mais tarde você pode se arrepender e decidir se desculpar e pagar de volta. Assim, você pode ir e devolver o que roubou ao proprietário legítimo. Ele o perdoa, você se perdoa, e as partes envolvidas vivem felizes depois disso, não tendo mais contas uma com a outra.

Se você não pagar, você sentirá que lhe deve e esse sentimento não o deixará. A culpa o atormentará até que seja paga. O pagamento pode ser feito dentro de uma vida, como o exemplo que acabo de dar. Caso contrário, ele surgirá em uma vida futura.

Isso é uma lei. Causa-e-efeito opera através de múltiplas vidas.

A propriedade que você roubou (causa) é devolvida em uma vida futura (efeito). O crime (causa) cria a culpa (efeito). O pagamento (causa) cria oportunidade (efeito). O perdão (causa) cria a paz (efeito).

Se o carma de alta intensidade emocional não for pago, não poderemos viver em paz. A morte do corpo físico não implica em equilíbrio de contas. Portanto, a morte não traz paz neste caso. Escrever “descanse em paz” em uma lápide é doce, mas fútil para aqueles que devem ou sentem que devem. 

Karma implica em trabalho espiritual, não em férias espirituais. E na presença de carma não pago e na ausência de trabalho espiritual, vivemos basicamente no inferno e há pouco ou nenhum progresso.

Se, por alguma razão milagrosa, o perdão é mais forte do que o ódio gerado pelo carma, aqueles que transgrediram são libertados do pagamento imediatamente. Pense em Jesus na cruz dizendo “perdoem-nos porque eles não sabem o que estão fazendo”. Não há carma algum para JC. Amor Puro e Incondicional. Portanto, sim, o perdão é possível quando há maturidade emocional profunda, sabedoria e desapego. Obviamente, não muito comum, porém.

Mas são necessários dois para dançar o tango. Também é necessário perdoar a si mesmo por nossas próprias transgressões. Ou então, mesmo que Jesus apareça e nos dê tapinhas nas costas, seu perdão não servirá para nada e nós queremos pagar independentemente de o pagamento ser exigido ou não. Portanto, é possível acumular e pagar carma consigo mesmo através de culpa extrema.

Você já tentou incentivar alguém com um forte traço principal de autodepreciação? O incentivo não penetra. A pessoa sente que não é merecedora. Portanto, é necessário um processo diferente para que esse carma seja resolvido – ele não tem nada a ver com os outros.

Manifestações extremas de falsa personalidade destroem oportunidades para nós mesmos, porque o medo extremo limita nossas ações e expressões na vida. Assim, o auto-carma é criado. Ou pago, quando a falsa personalidade é neutralizada e vivemos em destemor e expressamos nossos talentos naturais.

Causa-e-efeito não é a única lei que existe. Acidentes podem acontecer. Nem tudo é fadado no sentido de que não haveria criatividade e improvisação por parte do Destino. Portanto, a declaração frívola de que quando alguma porcaria acontece com alguém que significa que está pagando carma pode muito bem estar certa, mas na maioria das vezes é apenas uma declaração frívola sem fundamento na compreensão ou consciência da lei que está sendo promulgada.

Processar e digerir o sofrimento da falsa personalidade enquanto se compreende o carma pelo que ele é, é em si a causa de efeitos futuros. Estar consciente do caráter de nossas escolhas e do quão desalinhadas elas podem estar com nossa Verdadeira Natureza e o mecanismo de sua operação permite a liberação da auto-sabotagem. Sem estarmos conscientes, estamos presos na escuridão. A mente deve ser conhecida. Isso é o que significa estar consciente. Estar consciente é o começo do fim do caminho espiritual.

sausage-red