fbpx

Lembrança de Si Mesmo

O que é a lembrança de si?

A lembrança de si mesmo é a ação de direcionar a atenção para a fonte de atenção.

Um arqueiro deve saber onde está o alvo antes de poder atirar a flecha. Devemos saber o que é o Si Mesmo antes que ele possa ser lembrado. Logicamente, a lembrança de si mesmo só se torna disponível após o Vislumbre da Verdade ou despertar, não antes.

Os “estados de presença” aleatórios que acontecem antes do despertar são rapidamente reivindicados pelo ego. “Eu estava presente”, dizemos nós. “Eu me lembrei de mim mesmo”, dizemos. Quando surge o pensamento “eu estou lembrando de mim mesmo”, o estado já se foi (por assim dizer, porque realmente não se foi, o que se foi é as férias do ego pois o ego agora está de volta fazendo reivindicações imaginárias sobre a Consciência).

Após o despertar essas afirmações perdem todo significado. Sentem-se como mentiras. E são mentiras. Ninguém se lembra de si mesmo. Despertar muda o paradigma da referência de si. Não somos o que imaginávamos que éramos todo esse tempo.

O Verdadeiro Eu não pode ser abordado conceitualmente. Pode, como o termo sugere, ser lembrado. O ato de lembrar parece começar na mente. Mas breve torna-se claro que a lembrança se origina além da mente e nunca deixou realmente sua origem. Um milagre silencioso. O Si Mesmo jogando o jogo da lembrança do si. O Si Mesmo chamando o Si Mesmo para ser ele mesmo. No Tarot, isto é retratado pela carta “O Julgamento”.

O termo “lembrar”, embora longe de ser literalmente verdadeiro, é apto como um ponteiro porque implica que o Si Mesmo já “é” e que ele já é conhecido. Nada de novo está sendo criado. Apenas um ajuste no ângulo de percepção ou fluxo de atenção é necessário para pôr um fim à sensação de separação.

Se isso acontecer, não há mais necessidade de lembrar, pois fica irrevogavelmente claro que não há nenhum Si Mesmo a ser lembrado, apenas Consciência Pura; e Nós Somos Isso. Agora, sempre e em todo lugar. 

Tarot - The Jugement
O Julgamento
fish-red