fbpx

Papai Noel

O Espírito não é uma experiência que "nós temos".

Acho isso difícil de entender.

É verdade. É incompreensível.

Mas como podemos entendê-lo e alcançar a paz de que você fala?

Você não pode entendê-la. Nós só podemos entender a experiência. O que não é experiência não é compreensível. Embora esteja presente e seja a fonte de onde vem a experiência. Mas isso é apenas a metade do indicador. Algumas pessoas podem muito bem “entendê-la”, ouvindo apenas essa metade. Gente de sorte…

Para o resto de nós mortais existe a outra metade: não podemos entender a Verdade, mas podemos entender o que é falso. Olhe para o falso, reconheça-o como falso e ele se dissolve naturalmente e sem esforço e a Verdade “se torna conhecida”.

Quando somos crianças, acreditamos no Papai Noel. Um dia descobrimos que ela realmente não existe, exceto em nossa imaginação, de modo que sua falsidade se dissolve para sempre. É impossível reintegrar o Papai Noel. E você vive livre dessa falsidade, e suas implicações, em sua maioria inofensivas, embora possa ser realmente decepcionante para algumas crianças.

Assim, o indicador é dado: procure em sua experiência e encontre o "eu". Onde está? Concentre-se na investigação. Olhe com atenção.

Se você olhar do ângulo correto, verá que “eu” é exatamente como o Papai Noel: uma imagem ou conceito, mas associado a um corpo e a uma personalidade neste caso. Isto não é uma analogia. O processo de ver o falso como falso é exatamente o mesmo.

O problema é que acumulamos uma enorme rede de crenças e justificativas sobre quem  somos desde a infância e até mesmo nos ensinamentos espirituais, como aqueles que nos ensinam que “nós somos” uma alma em evolução. Assim, desenvolvemos um sério investimento emocional neste “eu”. Isso representa um obstáculo considerável para a realização do Espírito. Portanto, as implicações desta falsidade estão longe de ser inofensivas, como o foi o Papai Noel.

Portanto, o trabalho é estudar a mente, parar de justificar nossas pequenas emoções negativas, porque elas funcionam como cola para a psique, parar de repetir crenças erradas, e então, peça por peça, reconhecer que todos esses pensamentos, emoções e sensações não se equiparam de forma alguma ao “Eu”. Se nos mantivermos nisso e continuarmos descartando o falso, o que resta é o não-compreensível Espírito, que é desprovido de qualidades e, assim, a personalidade e o corpo relaxam e vivem em paz.

Portanto, sim, algo pode definitivamente ser feito. A mente está perfeitamente equipada para desfazer a bagunça em que ela se meteu.

Nothing Wrong Anymore - non-duality Advaita pointers